terça-feira, 5 de maio de 2015

Lei de Moisés x Graça de Cristo? Compreenda o verdadeiro sentido de João 1:17

"Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo." (João 1:17, ARA)
A lei, isto é, o sistema de religião revelado, sob o qual os judeus viviam no Antigo Testamento, prescrito por Deus, mas gradualmente pervertido pela tradição humana (Marcos 7:9-13). Nos dias de Cristo, o termo "lei" incluía não só o decálogo, mas tudo o que Moisés e os profetas haviam escrito (Lucas 24:27, 44), conforme a interpretação dos rabis.

Em si e por si mesma, segundo originalmente dada por Deus, "a lei" era boa (Romanos 7:7, 12). Tinha o objetivo de levar as pessoas à salvação por meio da fé no Messias vindouro (João 5:39, 45-47; Lucas 24:25-27, 44). O fato de que "alguns não creram" (Romanos 3:3), e buscavam a salvação pelas obras (Romanos 9:32), não pela fé, e como resultado deixaram de entrar no descanso espiritual que Deus tinha em mente para eles (Hebreus 3:18-19; 4:2), não significa que o sistema em si, conforme havia sido prescrito por Deus, fosse defeituoso. Todas as coisas que Deus faz são "perfeitas" (Deuteronômio 32:4). Houve muitos no Antigo Testamento que "obtiveram bom testemunho por sua fé" (Hebreus 11:39). Na verdade nunca houve outra maneira de obter "bom testemunho", a não ser pela fé.

A tradição judaica havia pervertido o plano da salvação ao enfatizar as formas de religião em vez de seus objetivos espirituais e morais (Marcos 7:1-13). Jesus expôs o verdadeiro espírito da lei ao aplicá-la aos problemas diários (Mateus 5:17-22).



O texto da versão Almeida Revista e Atualizada (ARA) diz que a lei foi dada por intermédio de Moisés, pois no original a ideia é "através de Moisés". A lei não se originou com Moisés, mas em Deus. Moisés foi simplesmente o agente através do qual a vontade revelada de Deus foi comunicada (Deuteronômio 5:22-6:1; Hebreus 1:1). 
"A lei foi dada por meio de Moisés, mas o amor e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo." (João 1:17, NTLH)
A Nova Tradução Linguagem de Hoje (NTLH) acrescenta um "mas" depois da frase "por meio de Moisés", porém isso subentende um contraste mais forte entre lei e graça do que João pretendia transmitir. João não quer dar a entender que o sistema revelado por meio de Moisés era mau em comparação com que então foi revelado por meio de Cristo, mas que, se o sistema de Moisés era bom, o de Cristo é ainda melhor (Hebreus 7:22; 8:6; 9:23; 10:34).

Os atributos divinos "graça" e "verdade" já eram inerentes ao sistema de religião revelado no Antigo Testamento (Êxodo 34:6-7), mas, para propósitos práticos, haviam se perdido sob uma grossa camada de tradições humanas. O contraste entre lei e graça não é tanto entre o sistema de religião do Antigo Testamento, que guardava um Messias vindouro, e o sistema revelado por Cristo (Hebreus 1:1-2), mas entre a interpretação pervertida que os rabis, os expositores oficiais da lei, colocaram sobre a graça e a verdade reveladas por Deus (Romanos 6:14-15; Gálatas 5:4), e a verdade como foi revelada por meio de Jesus Cristo.

Ao afirmar que a "verdade" vem por meio de Cristo, João O identifica como a realidade à qual apontavam todos os tipos e cerimônias do Antigo Testamento, que eram uma sombra dos bens vindouros. O tipo encontrou o antítipo em Cristo (Colossenses 2:16-17). Em nenhum sentido João deixa implícito que o sistema do Antigo Testamento fosse falso ou errôneo.

O texto abaixo lança luz sobre o assunto tratado até aqui:
"Obtendo o fim [no sentido de propósito] da vossa fé: a salvação da vossa alma. Foi a respeito desta salvação [em Cristo Jesus] que os profetas indagaram e inquiriram, os quais profetizaram acerca da graça a vós outros destinada" (1 Pedro 1:19)
"Cristo não somente foi o guia dos hebreus no deserto (o Anjo em quem estava o nome de Yahweh, e que, velado na coluna de nuvem, ia diante das hostes), mas foi também Ele que deu a Israel a lei. Por entre a tremenda glória do Sinai, Cristo declarou aos ouvidos de todo o povo os dez preceitos da lei de Seu Pai. Foi Ele que deu a Moisés a lei gravada em tábuas de pedra." (Ellen G. White. Patriarcas e Profetas, p. 366)  
Os textos acima deixam claro que era Cristo que falava por meio de Moisés e dos profetas; então Ele Se manifestou em pessoa para reafirmar as grandes verdades eternas reveladas àqueles homens santos do passado e lhes devolver o brilho original, não ofuscado pelas tradições humanas (Mateus 5:17-19). Ele veio para revelar o Pai em Seu verdadeiro caráter (Êxodo 34:6-7), para convencer os seres humanos a praticar a justiça e a misericórdia e a andar humildemente com Deus (Miqueias 6:6-8). Aquele que falara "muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas", então falou aos seres humanos por meio de Seu Filho (Hebreus 1:1-2).

(Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 5, p. 998-999)