quarta-feira, 20 de maio de 2015

As estações têm uma influência decisiva na saúde

Já faz algum tempo que os médicos sabem que algumas doenças têm maior probabilidade de surgimento nos meses de inverno e são mais graves. Um estudo britânico publicado na revista "Nature Communications" agora explica por que isso ocorre. Uma parte considerável da expressão genética varia de acordo com a estação do ano, impactando assim o sistema imune, o sangue e até mesmo o tecido adiposo.

Uma equipe de pesquisadores sob a liderança da Universidade de Cambridge analisou amostras de sangue e de tecido adiposo de mais de 16.000 pessoas. Os sujeitos do estudo vieram do hemisfério norte e do hemisfério sul (Reino Unido, EUA, Islândia, Austrália e Gâmbia).

O estudo mostrou que quase um quarto da expressão genética - 5.136 dos 22.822 genes testados - varia de acordo com o período do ano. Alguns genes são mais ativos no inverno, outros no verão. Aliados à alteração da expressão genética, também mudam as células imunológicas, a composição do sangue e o tecido adiposo.



Foi impressionante, em especial, a atividade do gene ARNTL, o qual foi mais ativo no verão do que no inverno. Em estudos com camundongos, o ARNTL teve um efeito anti-inflamatório. Convertido para os humanos, isso indicaria que os níveis de inflamação são maiores no inverno o que, por sua vez, explicaria por que tantas doenças se tornam um problema maior durante os meses do inverno.

Os cientistas também descobriram que até mesmo a resposta imunológica a vacinas parece variar de acordo com a estação do ano. Alguns genes fundamentais para a resposta imunológica são mais ativos no inverno, provavelmente devido à resistência contra as bactérias na circulação. Portanto, a vacinação neste período do ano pode ser benéfica, concluíram os pesquisadores. No Gâmbia, a variação sazonal está relacionada ao período de chuvas entre junho e outubro, período no qual um número especialmente maior de doenças contagiosas são mais predominantes.

O mecanismo por trás da atividade sazonal ainda não está evidente, disseram os pesquisadores. Contudo, estímulos externos, como a luz do dia ou a temperatura ambiente e, por conseguinte, o ciclo circadiano, podem ser possibilidades óbvias. Tais achados podem não somente mudar o tratamento de várias doenças, como também o planejamento de estudos científicos, disseram os pesquisadores.



P.S.: Para o cristão, essa descoberta científica confirma a intencionalidade da natureza projetada de forma inteligente. No relato bíblico-histórico de Gênesis 1, temos o seguinte:
"Disse também Deus: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais, para estações, para dias e anosE sejam para luzeiros no firmamento dos céus, para alumiar a terra. E assim se fez. Fez Deus os dois grandes luzeiros: o maior para governar o dia, e o menor para governar a noite; e fez também as estrelas. E os colocou no firmamento dos céus para alumiarem a terra, para governarem o dia e a noite e fazerem separação entre a luz e as trevas. E viu Deus que isso era bom. Houve tarde e manhã, o quarto dia."
Intencionalmente, Yahweh estabeleceu os movimentos de translação (Terra em torno do Sol), rotação (Terra em torno do seu próprio eixo) e revolução (Lua em torno da Terra) no quarto dia, estabelecendo as estações do ano, um dia de 24 horas e um mês de aproximadamente 30 dias. Tudo isso para benefício do homem, como a ciência demonstrou neste estudo.