segunda-feira, 14 de abril de 2014

Costumes judaicos no tempo de Cristo e a rejeição dos mandamentos pela tradição

Muitas das tradições judaicas eram tão superficiais e de caráter tao insignificante, que vulgarizavam toda a religião. Essas tradições foram transmitidas de geração a geração e muitos as consideravam como sendo palavras de Deus. Invenções humanas, que constantemente se tornavam mais ridículas e inconsistentes, eram colocadas em igualdade com a lei moral [dos dez mandamentos de Êxodo 20].



Até a época do primeiro advento de Cristo, a doutrina pura havia sido substituída pelas falsas ideias. Egoísmo, avareza e exaltação própria haviam produzido toda prática falsa e, como resultado, a nação judaica havia perdido sua elevada integridade. Suas práticas diárias eram atos de extorsão para com Deus e os semelhantes. Eles roubavam a Deus do puro serviço deles requerido; privavam os semelhantes da sincera orientação religiosa e do santificado exemplo. A Palavra de Deus era desconsiderada em seus concílios, e se entregavam como vítimas amarradas no altar de Mamom.

Cristo não deu a menor atenção a essas invenções humanas, pois Ele desejava traçar, por meio de Seu exemplo, uma linha entre as teorias humanas e os sagrados requerimentos de Deus. Para exortação dos fariseus, Ele disse:

"Jeitosamente rejeitais o preceito de Deus para guardardes a vossa própria tradição. Pois Moisés disse: Honra a teu pai e a tua mãe; e: Quem maldisser a seu pai ou a sua mãe seja punido de morte. Vós, porém, dizeis: Se um homem disser a seu pai ou a sua mãe: Aquilo que poderias aproveitar de mim é Corbã, isto é, oferta para o Senhor, então, o dispensais de fazer qualquer coisa em favor de seu pai ou de sua mãe, invalidando a palavra de Deus pela vossa própria tradição, que vós mesmos transmitistes; e fazeis muitas outras coisas semelhantes." (Marcos 7:9-13)

A lei de Deus requer que os filhos honrem os pais, atendam as necessidades deles e cuidem deles na velhice [Êxodo 20:12]. Mas, aqueles falsos mestres ensinavam que era muito importante que os filhos, por meio de um voto, dedicassem suas propriedades ao serviço do templo. Então, quando os pais solicitavam ajuda assistencial a esses filhos, costumavam ouvir: "isso é Corbã, dedicada a Deus". Os filhos eram ensinados que era sacrilégio lançar mão da oferta dedicada ao templo, mesmo que fosse para suprir as necessidades dos pais.

Assim, sob a capa de piedade, aqueles mestres dispensavam os filhos de cumprir as obrigações do quinto mandamento, enquanto se apropriavam egoisticamente do que poderia ter sido usado para tornar felizes os pais, durante a velhice, aqueles a quem os bens com justiça pertenciam eram frequentemente deixados em falta. Os penetrantes olhos de Deus viram os verdadeiros motivos das ações praticadas, e Ele declarou:

"E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens. Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens. E disse-lhes ainda: Jeitosamente rejeitais o preceito de Deus para guardardes a vossa própria tradição." (Marcos 7:7-9)

— Ellen G. White. Signs of the Times, 3 de janeiro de 1900. in: Comentários de Ellen White sobre a Lição da Escola Sabatina dos Adultos, abril-maio-junho, 2014, p. 19