quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Como o orvalho de Hermom - Salmo 133


I. TEXTO BÍBLICO:
"Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos! É como o orvalho do Hermom, que desce sobre os montes de Sião. Ali, ordena o SENHOR a sua bênção e a vida para sempre." (Salmo 133:1, 3)

II. COMENTÁRIOS:
"Orvalho de Hermom: Um símbolo de refrigério. O amor fraternal nascido no céu refresca e revive. Ele é uma antecipação do companheirismo desfrutado no lar celestial. Davi conseguiu cantar este salmo enquanto estava na caverna de Adulão, por causa da simpatia e afeição que seus companheiros lhe demonstraram." — Comentário Bíblico Adventista, v. 3, p. 1032
"Entre as montanhas de Judá, procurou Davi refúgio da perseguição de Saul. Escapou para a caverna de Adulão, lugar este que, com uma pequena força, poderia ser mantido contra um grande exército. E ouviram-no seus irmãos e toda a casa de seu pai, e desceram ali para ele. A família de Davi não podia considerar-se livre de perigo, sabendo que em qualquer ocasião as desarrazoadas suspeitas de Saul poderiam dirigir-se contra eles por causa de sua relação com Davi. Tinham agora sabido - o que aliás estava sendo geralmente conhecido em Israel - que Deus escolhera a Davi para futuro governante de Seu povo; e acreditavam que com ele estariam mais livres de perigos, embora fosse um  fugitivo numa solitária caverna, do que poderiam estar enquanto expostos à fúria doida de um rei invejoso. Na caverna de Adulão a família estava unida em simpatia e afeto. O filho de Jessé tangia a harpa e cantava melodiosamente: "Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!" Sal. 133:1. Ele tinha provado o amargor da desconfiança por parte de seus próprios irmãos; e a harmonia que tomara o lugar da discórdia trouxe alegria ao coração do exilado. Foi ali [também] que Davi compôs o Salmo cinqüenta e sete." — Ellen G. White. Patriarcas e Profetas, p. 657-658