sexta-feira, 6 de setembro de 2013

[Acusações Contra a Igreja Moderna] Paul Washer - Uma falta de disciplina eclesiástica amorosa e compassiva

"Irmãos, se alguém for surpreendido nalguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado." (Gálatas 6:1)

Hoje, muitos pastores evangélicos deveriam pegar Mateus 18 e arrancá-lo de sua Bíblia. Mas você não pode fazer isso. Precisa ter a Bíblia inteira - e não apenas parte dela. Muitos pastores deixam a sua teologia de lado quando saem de seu escritório de estudo. São teólogos na conversa; são teólogos no escritório. Mas, quando saem do escritório, conduzem a igreja por meios carnais.
 
Não sou um pastor em minha igreja, então, posso fazer isso sem vangloriar-me. Nossa igreja pratica a disciplina eclesiástica. É uma igreja bem grande, frequentada por cerca de 1.000 pessoas. Pastores estimam que ajudaram a salvar 30 casamentos nos últimos anos, por meio da disciplina eclesiástica, amorosa e compassiva - a disciplina eclesiástica não começa com a exclusão. Começa com: "Vós, que sois espirituais, corrigi-o..."
 
Você diz: "Não podemos praticar a disciplina - somos muito amáveis!" Vocês são mais amáveis do que Jesus? É ele quem ordena a disciplina!
 
"Mas isso nos causa muitos problemas." É verdade. Talvez essa seja a razão por que há muitos problemas entre a igreja e a cultura mundana hoje, porque não estamos confrontando a cultura ao nosso redor. E não confrontamos a cultura apenas por irmos até Hollywood e fazermos protestos lá. Confrontamos nossa cultura por obedecermos a Deus! Noé construiu a arca e condenou o mundo. Você não precisa ter um sinal de protesto. Apenas ande em obediência - e o mundo o odiará.
 
"Se teu irmão pecar contra ti, vai argüi-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão." (Mateus 18:15).

 
Oh! que coisa maravilhosa! "Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça." (Mateus 18:16). Amigos, as testemunhas não devem estar do seu lado. Não, elas entram no caso para ouvir objetivamente e proferir um julgamento. Talvez você seja a pessoa que está errada: talvez o seu irmão não esteja em pecado - talvez você esteja sendo crítico demais e legalista. Quem sabe?
 
"E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano" [Mateus 18:17], ou seja, alguém de fora ou um coletor de impostos. Meu querido amigo, creio que precisamos ouvir isso. Ou começamos a obedecer a Deus e disciplinamos a nós mesmos, ou podemos receber a disciplina de Deus. E talvez a hora já chegou e agora seja o tempo em que isso vai acontecer!
 
Não estou falando sobre pessoas críticas, legalistas e odiosas - existem muitas delas. Estou falando sobre um pastor, um grupo de presbíteros, líderes que amam muito o colocar a sua vida em ordem, porque sabem que isso não é uma brincadeira. Isso não é algo que fazemos apenas para esta vida, mas é a eternidade que está em jogo - a salvação de almas. Examine os velhos livros dos Spurgeons e dos Whitefields, dos puritanos e da Reforma. Muitos desses livros lidam com o que é o evangelho, como o pregamos, como trazemos alguém a Cristo, como discernimos a verdadeira conversão, como nos tornamos médicos de almas.
 
Temos nos unido a Roma neste assunto. Na igreja Católica Romana, o bebê é batizado e declarado "cristão". Daí em diante, o bebê pertence a Roma. Nunca mais eles lidam com a conversão. Apenas criam todos os tipos de meios mundanos  para manter as pessoas na igreja! Mas ouça: os evangélicos têm feito a mesma coisa! Faça uma pequena oração com eles, depois de dois ou três minutos de aconselhamento, depois de meia hora de pregação - da qual 25 minutos foram histórias engraçadas - e, em seguida, você puxa a rede nos cinco minutos finais. Aconselhe-os por um pouco e declare "salvos". Então, você passa o resto de seus dias discipulando-os e se perguntando por que eles não crescem.
 
Creio no discipulado pessoal, um a um. Mas, querido amigo, a igreja se saiu bem por mais de mil anos sem isto, sem o que chamamos de discipulado pessoal e todos os livros e materiais disponíveis hoje. Quero que você pense sobre isso. O discipulado um a um se tornou proeminente nos anos 1970 e permanece assim até hoje.
 
Qual é o clamor? Eles dizem: "Há tantas pessoas saindo das igrejas quanto as que estão entrando. E a razão por que isso está acontecendo é que não estamos discipulando as pessoas". Não, a razão por que isso acontece  é que elas não estão sendo convertidas. Elas mostram que não são convertidas porque as ovelhas de Cristo ouvem a voz dele e o seguem (João 10:3), quer você as discipule, quer não. Nós devemos discipular, mas a falta de discipulado não é a razão por que as pessoas saem da igreja.  
"Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos." (1 João 2:19)

E não tiveram a chance de ser "dos nossos" porque não ouviram o evangelho verdadeiro - ninguém nunca lidou com a alma dessas pessoas. Portanto, gastamos uma fortuna disciplinando bodes, na esperança de que eles se tornem uma ovelha. Não podemos ensinar um bode a se tornar ovelha. Um bode se torna uma ovelha somente por meio da obra sobrenatural do Espírito Santo do Deus Todo-Poderoso.
 
Mudei minha família para a igreja que estamos porque ela pratica a disciplina eclesiástica - o cuidado vigilante de presbíteros e outros membros que levam isso a sério. Se meus filhos, que são todos pequenos agora, fizerem uma profissão de fé e depois se desviarem, quero que sejam trazidos diante da igreja, se necessário, para salvação de sua alma.
 
Alguns de vocês ficariam tão furiosos se um pastor viesse e lhes dissesse: "Sinceramente, tenho orado por seu filho e temo que ele não seja convertido". Vocês ficariam tão furiosos, que reuniriam um grupo para exonerar aquele pastor - em vez de admitir: "Oh! louvado seja Deus, temos um homem de Deus aqui!". 
 
(Paul Washer. Dez acusações contra a igreja moderna, p. 73-78)