terça-feira, 19 de março de 2013

Maravilhas na lei de Deus


"Desvenda os meus olhos, para que veja as maravilhas da Tua lei." (Salmos 119:18).

Jesus Cristo é a glória da lei. Os raios brilhantes do Sol da Justiça devem irradiar de Seus mensageiros sobre a mente dos pecadores, a fim de que possam ser levados a dizer, com o antigo servo: “Desvenda os meus olhos, para que veja as maravilhas da Tua lei.”

Muitos não discernem as maravilhas que devem ser vistas na lei de Deus. Não têm observado que a mesma foi revelada a Moisés quando orou: “Rogo-Te que me mostres a Tua glória.” (Êxodo 33:18). O caráter de Deus foi revelado a Moisés.

Cada especificação da lei é o caráter do infinito Deus. A lei do Céu é sempre misericordiosa, amável, branda, útil, sobre-excedendo as outras leis.

A espezinhada lei de Deus tem de ser exaltada diante do povo; assim que eles se volvam sincera e reverentemente para as Santas Escrituras, a luz do Céu lhes revelará coisas extraordinárias da lei de Deus. Verdades que se demonstraram insuperáveis para gigantescos intelectos, são compreendidas por criancinhas em Cristo.

A lei dos Dez Mandamentos não deve ser considerada tanto do lado proibitivo, como do lado da misericórdia. Suas proibições são a segura garantia de felicidade na obediência.

Não devemos olhar a Deus como aguardando o momento de punir o pecador por causa de seus pecados. O pecador mesmo acarreta sobre si a punição. Suas próprias ações dão princípio a uma cadeia de circunstâncias que trazem o resultado definido. Cada ato de transgressão reflete sobre o pecador, produz nele uma mudança de caráter e torna-lhe mais fácil transgredir de novo. Preferindo pecar, separam-se os homens de Deus, excluem-se do conduto de bênçãos, e o resultado certo é a ruína e morte.

Pela obediência a esta lei, o intelecto é fortalecido, a consciência é iluminada e se torna sensível. A juventude precisa obter uma clara compreensão da lei de Deus.

(Ellen G. White. A fé pela qual eu vivo, p. 80-81)