sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Deus endureceu o coração de faraó?


"O SENHOR, porém, endureceu o coração de Faraó, e este não deixou ir os filhos de Israel." (Êxodo 10:20).

Como endurece o Senhor o coração dos homens? Da mesma forma em que endureceu o coração de Faraó. Deus mandou a esse rei uma mensagem de advertência e misericórdia, mas ele recusou reconhecer o Deus do Céu, e não quis prestar obediência às Suas ordens. Perguntou: “Quem é o Senhor, cuja voz eu ouvirei?” (Êxodo 5:2).

O Senhor lhe deu prova de Seu poder, realizando sinais e milagres diante dele. O grande EU SOU tornou conhecidas a Faraó Suas obras poderosas, mostrando-lhe que é o soberano de Céu e Terra, mas o rei preferiu desafiar o Deus do Céu. Não consentiu que se quebrantasse seu orgulhoso e obstinado coração nem mesmo diante do Rei dos reis, para então poder receber a luz, pois estava resolvido a fazer prevalecer sua vontade e levar até ao fim a sua rebelião. Preferiu fazer sua própria vontade e pôr de parte o mandamento de Deus, e a própria evidência que lhe fora dada, de estar Jeová acima de todos os deuses das nações, acima de todos os sábios e mágicos, só serviu para cegar-lhe o espírito e endurecer-lhe o coração.

Tivesse Faraó aceito a prova do poder de Deus, mostrada por ocasião da primeira praga, e ter-lhe-iam sido poupados todos os juízos que se seguiram. Sua resoluta obstinação, porém, exigiu maiores manifestações do poder de Deus, e seguiu-se praga a praga, até que afinal ele foi chamado para contemplar a face desfalecida de seu primogênito, e de seus demais queridos; ao passo que os filhos de Israel, a quem considerara como escravos, ficaram incólumes através das pragas, intocados pelo anjo destruidor. Deus tornou evidente sobre quem repousava o Seu favor, quem era o Seu povo.

Cada nova evidência do poder de Deus a que o monarca egípcio resistia, levava-o a desafiar mais determinada e persistentemente a Deus. [...] Este caso é uma clara ilustração do pecado contra o Espírito Santo. “Aquilo que o homem semear, isso também ceifará.” (Gálatas 6:7). Gradualmente o Senhor retirou Seu Espírito. Removendo dele Seu poder refreador, entregou o rei nas mãos do pior de todos os tiranos: o próprio eu.

(Ellen G. White. Vidas que falam, p. 86-87)