segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Plena concessão do Espírito


"De repente, veio do Céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados." (Atos 2:2)

Quando o Espírito Santo desceu no dia de Pentecoste, foi como um vento veemente e impetuoso. [O Espírito] não foi concedido em medida limitada; pois ocupou todo o lugar em que os discípulos estavam assentados. Assim nos será concedido quando nosso coração estiver preparado para recebê-Lo.

Ajoelhe-se cada membro da igreja diante de Deus, e ore sinceramente pela concessão do Espírito. Clamai: “Senhor, acrescenta-me a fé. Faze-me compreender Tua Palavra; pois a exposição da Tua Palavra esclarece. Refrigera-me pela Tua presença. Enche-me o coração de Teu Espírito, para que eu ame a meus irmãos como Cristo me ama.”

Deus abençoará todos os que assim se prepararem para o Seu serviço. Eles compreenderão o que significa ter o penhor do Espírito, porque receberam Cristo pela fé. A religião de Cristo representa muito mais do que o perdão do pecado; denota que o pecado é removido, e que o vácuo é preenchido com o Espírito Santo. Significa divina iluminação mental, e que o coração é esvaziado do próprio eu e enchido com a presença de Cristo. Quando esta obra for efetuada para os membros da igreja, a igreja será viva e atuante.

Devemos procurar sinceramente ser do mesmo parecer e ter o mesmo propósito. O batismo do Espírito Santo, e nada menos, pode conduzir-nos a essa situação. Pela renúncia pessoal, preparemos o coração para receber o Espírito Santo, para que seja efetuada uma grande obra para nós, de modo que não possamos dizer: “Vejam o que eu estou fazendo”, mas “considerem a bondade e o amor de Deus!” [...]

Podemos falar sobre as bênçãos do Espírito Santo; a menos, porém, que nos preparemos para recebê-Lo, que valor terão nossas obras? Estamos fazendo tudo o que está ao nosso alcance para atingir a estatura de homens e mulheres em Cristo? Estamos buscando Sua plenitude, sempre avançando para o alvo à nossa frente — a perfeição de Seu caráter?

(Ellen G. White. Meditações Matinais: E Recebereis Poder, p. 318)