segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Pondo o próprio eu de lado


"Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo." (Filipenses 3:7)

É por meio da igreja que o abnegado amor de Jesus deve ser manifestado para o mundo; mas pelo atual exemplo da igreja, o caráter de Cristo não é representado devidamente, e é dado ao mundo um falso conceito sobre Ele. O egoísmo exclui o amor de Jesus da alma, e é por isso que não há na igreja maior zelo e mais intenso amor por Aquele que nos amou primeiro. O próprio eu é supremo em tantos corações! Seus pensamentos, tempo e dinheiro são entregues à satisfação pessoal, enquanto perecem as almas pelas quais Cristo morreu.

Esta é a razão por que o Senhor não pode comunicar a Sua igreja a plenitude de Sua bênção. Honrá-los de maneira distinta perante o mundo seria pôr o Seu selo sobre suas obras, confirmando a falsa representação que fazem de Seu caráter. Quando a igreja sair do mundo, separando-se de suas máximas, hábitos e práticas, o Senhor Jesus trabalhará com Seu povo; Ele derramará Seu Espírito em grande medida sobre eles, e o mundo conhecerá que o Pai os ama. 

Será que o povo de Deus continuará a estar tão entorpecido pelo egoísmo? Sua bênção paira sobre eles, mas não pode ser concedida em sua plenitude por estarem tão corrompidos com o espírito e as práticas do mundo. Há orgulho espiritual entre eles; e se o Senhor operasse como Seu coração anela fazer, isso apenas tenderia a confirmá-los em sua presunção e exaltação do próprio eu.

Continuará Cristo a não ser devidamente representado por nosso povo? Há de a graça de Deus, a iluminação divina, ser vedada a Sua igreja por causa da mornidão deles? Ela o será, a menos que haja mais cabal procura de Deus, renúncia do mundo e humilhação da alma perante o Senhor. O poder convertedor da parte de Deus precisa passar por nossas igrejas.

(Ellen G. White. E Recebereis Poder [MM], p. 290)